quinta-feira, 29 de setembro de 2011

terça-feira, 27 de setembro de 2011

3ª Luz de Freio em Moto - suzuki yes personalizada

Um eletricista aqui do trabalho fez várias adapatações em sua suzuki yes 2011, colocou bolha, farol de milha em miniatura, e a principal mudança, adaptou um par de piscas no paralama traseiro e colocou os piscas como 3ª luz de freio. confiram:








vídeo:

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Diário de Bordo-Xr250 Tornado "Red"/2007.


Bom amigos, por muitas vezes encontro pessoas querendo informações sobre consumo, peças, autonomia, e despesas de modo geral da tornado.
Tive uma Tornado "black" 2008, que me proporcionou muitas alegrias, rodei 50.000 kms com ela fora a Km que ela já estava (17000), nesse meio tempo tive que fazer algumas manutenções de rotina e substituições de peças ocasionadas pelo uso.
neste diário de bordo pretendo colocar todas as informações relevantes ao uso e manutenção da tornado no dia a dia, lembrando que percorro uma faixa de 140 kms diários.

Vamos lá então:

Xr250 Tornado "red"/07

Aquisição: 15/09/2011

km: 15.450
estado geral: boa

protetor de mão sem alma de aluminio, sem protetor de disco;

carenagens: aletas e lateral em bom estado com alguns discretos riscos, mascara dianteira muitos riscos;

Motor e carburador: motor redondo e carburador bem regulado sem os "gasps" tradicionais;

Embreagem e marchas: embreagem baixa, engates precisos, só que bruscos;

pneus: Dianteiro - metzeller original precisa trocar (urgencia); levorin dual sport traseiro ainda roda uns 2000km.

relação: coroa em bom estado, corrente e pinhão trocados da "black".

peças trocadas da preta p/ red: tampa bobina partida, bagageiro, lampada farol motovision, cabo velocimetro, filtro de espuma, pinhão novo e corrente retentorizada;

>>>KM 15630:
troca oleo e filtro - oleo Lubrax/filtro valflex; o filtro antigo literalmente se desmanchou qdo foi tirado, pelo amor de Deus, nao ponham esses filtros fuleiros de 2 reais, não prestam prefira Valflex, Cofap...

>>>16068:
Troca Pneus: Dianteiro Levorin Duna Evo; Traseiro Levorin Dual Sport.

>>>16150:
Moto falhou muito e em alguns momentos chegou a estancar, começa falhando e depois estanca, na noite passada coloquei gasolina que tirei da moto de trilha e tava suja, sorte que a tornado tem filtro de gasolina logo apos o registro do tanque, mesmo assim com a moto falhando rodei 140 kms, fui e voltei à belém. na volta encostei na oficina de confiança e constatei o que desconfiava o filtro de gasolina já tava bem sujo acabou por ficar bem comprometido. quando tentávamos soprar mesmo o ar passava com dificuldade - troquei logo por outro e acabou-se o problema - fica a dica, nesses postos e gasolina nada confiáveis o filtro de gasolina ajuda a evitar que sujidades entrem no carburador ou corpo de injeção e comprometam a motoca.

>>>17561:
Troca da corrente HAMP, que tinha trocado da antiga tornado, pra essa, com 02 retentores estourados e um barulho infernal, não tive escolha, comprei uma corrente KMC retentorizada (95 dilmas). não compro mais kit HAMP, uma porcaria a corrente agora que estava iniciando o terceiro pinhão. uma dica: guardar a emenda, pois ninguém sabe qdo a corrente vai quebrar.

>>>18025: troca de oleo LUBRAX, que possui as mesmas especificaçoes do YAMALUBE - 20 W 50 JASO MA API SL, entretanto estou na segunda troca com o LUBRAX e o cambio não tah aquela manteiga que fica com o YAMALUBE. Pra acabar de completar, fui trocar o óleo em casa e a moto tava com motor frio e o parafuso do óleo, não quis sair nem por decreto, mesmo esquentando a moto, resultado comi a cabeça da rosca do parafuso. No outro dia levei a uma oficina e conseguiram tirar usando uma talhadeira e um martelo, substituiram o parafuso por um da titan 150, achei estranho, pq pra mim só pegava o da tornado e pronto, mas vedou legal e até agora nenhum problema, a não ser que tive que tirar excedente de óleo da moto assim que cheguei em casa, não sei quem falou que o motor da tornado pega 02 litros de óleo, logo vi o mecanico despejando os dois litros de óleo, não falei nada, qdo cheguei em casa aferi o nivel tava acima da marca, ora bolas era pra estar mesmo, o normal é 1,8l qdo se troca o filtro e 1,5l a troca normal, tirei a tampa e virei a moto e tirei o excesso, afinal não quero forçar as juntas e retentores do motor.
Muita atenção qdo forem trocar o óleo, já li casos de quebra do bloco do motor pq apertaram demais o parafuso do óleo; outra coisa deixem esfriar o motor, trocar o oleo com motor quente pode apertar ainda mais o parafuso devido a dilatação que acontece com os metais.

>>>18155: aconteceu o que eu previa, olhei embaixo do motor a arruela não tava bem ajustada no parafuso e há um discreto vazamento de óleo do motor, nada extraordinário, mas vou arrumar isso logo :( - como descobri? pingos de óleo no chão.

>>>19350: Troquei o óleo da tornado e mandei ver a bronca do parafuso fuleiro do óleo; aproveitei uma promoção da Amazon Motos castanhal concessíonária Yamaha e troquei o Lubrax que até então vinha testando pelo yamalube e pra mim óleo é yamalube, já usei Mobil preto, Castrol, e por último o Lubrax. o yamalube tá custando na faixa de 16 dilmas e o lubrax 10,50-13 reais. pra mim o câmbio manteiga que o yamalube deixa, compensa essa diferença.

>>> 20040: to muito puto, a corrente KMC zero bala, arrebentou ontem, nem tava correndo muito nem forçando ela, logo agora que ia trocar a coroa e pinhão pra viajar tranquilo, agora vou ter q comprar um kit zero bala haja $$$$. essa KMC só rodou 2479 kms e só, ontem a noite olhei e parece que ela não quebrou na emenda, se for o caso perdi a corrente q não uso nem a pau uma corrente com 02 emendas, agora se ela rompeu na emenda, vou arrumar outra ou ajeitar a que to usando faltam apenas os anéis de borracha (retentores), que tirei pra facilitar a troca, já tava tarde e não tava conseguindo emendar a corrente.

>>> 20050: revisão geral e lubrificação para viagem a bahia, a corrente KMC que quebrou foi na emenda, tasquei um kit kmc zero bala na motoca e to com a emenda da antiga pra alguma emergencia (espero não precisar.

>>>Na viagem à Bahia que acabou se estendendo até o Rio de Janeiro e retorno via São Paulo pela Rio-Santos, fiz 02 trocas de óleo Yamalube, uma em porto de galinhas-Pe e a outra No RJ, e outra já em castanhal/pa, acredito que rodei uns 4000 kms com esse óleo trocado no RJ... de anormal ocorreu apenas uma pane no painel que apagou e ora acendia ora apagava, foi resolvido em Teixeira de Freitas-Ba, quando resolvi abri a caixa de fusível que fica abaixo da carenagem esquerda, que se retira com uma chave L-8; só troquei pelo reserva que tem na caixa e pronto; o Painel voltou, acredito que tenha rodado mais de 2000 km com o painel apagado.
- Retornei da viagem e o Pneu levorin traseiro já está com mais de 14.000 kms e ainda roda mais uns 2000 kms; o Kit KMC tá durando, já troquei o pinhão que usei durante a viagem e tasquei um novo, esse kit já está durando uns 11.000kms e vai durar pq ainda não tem nenhum rolete quebrado :); O pneu dianteiro parece zero bala, rodei muito com ele e nem tchum parece que vai rodar uns 30 mil kms ou mais;

>>>32.200 kms - Fiz a revisão da Tornado que desde que retornei da viagem ainda não havia feito, nessa revisão foi verificada a folga das válvulas, 03 válvulas estavam presas (carbonização); regulagem do carburador; limpeza da caixa de fusiveis (origem do problema do painel) e lubricação do link e dos eixos D e T.
foi trocado ainda o òleo e filtro e a junta do cabeçote. O pneu levorin T já está com mais de 16.000kms e espero trocá-lo em fevereiro qdo sair o pagamento ;)

>>>23/01/2012 - pow hj foi froids, a tornado passou quase duas semanas sem uso, hj cedo qdo fui ligar ela não quis pegar, bati várias vezes o start e nada, até que descarregou a bateria, agora f..., abaixei o afogador e girei o parafuso da aceleração e fiz ela pegar no tranco, e fui trabalhar até agora nem tchum...

>>>35.000 km - Troca Oléo yamalube, filtro combustivel e troca da corrente por uma seminova, coloquei um pinhão e coroa novos; Troca Pneu Traseiro Levorin Duna; agora estou com 02 levorin duna um na D e outro na T; andando percebo que eles são barulhentos apartir de 80 km/h eles cantam que é uma beleza :).
- Complementando, o cara que trocou esse óleo fez uma verdadeira lambança, primeiro esqueceu de colocar o parafuso do bujão e quando colocou o óleo por cima o mesmo começou a sair por baixo :(;
Outra presepada que antecedeu a esta foi que o mesmo afrouxou e soltou aqueles dutos que levam o óleo para o radiador, nunca tinha visto ninguem fazer isso, segundo ele era pra drenar o oleo que tava neles, fazia sentido...tsc, tsc. resultado comecei a ver um melado na tampa do filtro de óleo mas não dei bola, aí esse melado se tranformou em gotejamento, quando pilotava a barra da calça ficava respingada, comecei a ficar esperto e verifiquei o nivel do óleo - tava normal; fiz mais umas duas viagens e qdo fui ver estava na metade da vareta indicadora, poutz; fiz uma viagem de 70 km e parei numa oficina pra completar o nível do óleo, pra minha surpresa, os +/- 300 ml que havia colocado na manhã, parece que completaram o nível, o mecanico passou silicone entre o anel de vedação e a tampa do filtro de óleo e até agora tá resolvendo. na px troca vou mandar ver isso direito.
 >>>37.000 km - troca da vela, a moto não queria pegar e estava fazendo 26 km/l mesmo andando na maciota; foi trocada a vela e estou achando que o motor voltou a ficar redondo. Esqueci de falar que estou rodando já uns mil e poucos kms com o retentor direito da bengala estourado e noto também que a bateria não aguenta ficar 01 semana parada que arria, breve terei que trocá-la, mais urgente são os dois retentores das bengalas será apenas uma questão de tempo para o outro abrir o bico já que está sobrecarregado.
>>>37.400 km - troquei os retentores das 02 bengalas e aproveitei e mandei regular e limpar o carburador. depois dessa limpeza associado ao abastecimento num posto confiável e andando na maciota consegui a minha melhor média com essa Tornado = 229 km antes de dar reserva, ela fez quase 29 km/l !!! sinceramente não sei se conseguirei repetir essa média.
>>> 25/06/2012 - Quebra da corrente que já estava com 05 roletes quebrados, e já estava rodando com ela nessa situação quase 01 mês, já tinha comprado a corrente nova, porém não queria colocar em cima do pinhão e coroa antigos e muito gastos, tava esperando sair meu pgto pra comprar um pinhão e coroa novos pra então colocar tudo zero bala pra desgastar por igual. entretanto ontem ela rompeu na cidade e não tive outra escolha a não ser colocar a corrente nova, mas estou andando em uma biz poupando a corrente.
engraçado que os roletes que quebraram estavam proximos da emenda e ela partiu na emenda. daria pra colocar uma outra emenda, mas não vou fazer isso. A motoca vai ficar de molho até segunda, então terei que desligar o pólo positivo da bateria pra ela segurar a carga até segunda. detalhe: motocapital se aproximando...
>>> 47.746 km (04/07/12) - Dia do feriado nacional americano e dia da volta ativa da tornado que ficou parada mais de 01 semana. Pois bem, cedo liguei o cabo positivo da bateria e belisquei o start e vualá, pegou de 1ª. hj troquei a coroa e pinhão e troquei ainda o filtro de ar e de gasolina, bem como as lonas de freio traseiro que agora usarei da XLX da marca fabreck, conforme recomendação do tornadeiros.com.agora a tornado tá com relação 100% nova. pendente só a troca de oleo e filtro.
>>>13/08/2012 - Sábado passado troquei o óleo, px troca terei que retirar o silicone que passei na tampa pois não botei fé no O'ring que veio com o filtro. e será troca completa filtro + oleo.
esse mês ultrapassei a km de troca e qdo arriei o óleo vi que ele tava bem escuro. esse mês ficarei mais atento. um fato que venho notando é que quando aciono a embreagem a mesma tipo que demora voltar, achava que estava com folga excessiva, na verdade é o cabo que já está com a lubrificação vencida e está prendendo o retorno.
>>>52.500 kms - é isso mesmo minha tornado já é uma senhora Tornado com mais de 50.000 rodados!

Vamos lá atualizar isso aqui, a tornado está novamente com buracos na aceleração, e falha um pouco, uma carburação cairá bem.
Tive que trocar a bateria da tornado por uma nova, a original durou 05 anos, lembrando que ela é 2007...o sintoma clássico que sua bateria tá levando o farelo é que o relógio do painel começa a desconfigurar e os trips parciais voltam ao zero toda vez que vc liga a moto, foi assim até o momento que do nada a moto não ligou mais e só dava um barulho TEC-TEC ao acionar o botao <start> e só pegava no tranco.
Comprei uma bateria YUASA original pois tem itens que não economizo e bateria é um deles, achei de 211 dilmas e acabei comprando uma de 150 dilmas diferença de 60 dilmas...a bateria vem com uns frascos contendo uma solução que deve ser colocado nos orificios correspondentes e fechada a tampa e deve ser dada a carga inicial que varia de amperagem e tempo, fiz a mais rápida com carga de 1 hora.
bateria ativada e funcional coloquei na tornado e testei, pegou de 1ª.
Aproveitei e comprei um pneu Dianteiro novo (levorin duna), já que o antigo (tb duna) já estava passando da hora de trocar. total da brincadeira bateria 150+130 pneu = 280, Tornado de batera nova e pneus bons - não tem preço ;)

>>> Janeiro/2013: A tornado vermelha foi vendida com exatos 63.000 kms rodados de muita alegria sem nunca me deixar na mão! excelente moto com a qual continuei aprendendo sobre mecanica e manutenção de motos!

Adquiri uma teneré250cc da Marca Yamaha, alías minha 1ª Yamaha, vamos ver como se comporta e a exemplo da Tornado farei um diário tb aki do lado direito do Blog!


quinta-feira, 8 de setembro de 2011

BV-São João da Ponta/Marapanin/Praia de Crispim

Feriadão em plena quarta, pra não ficar em casa em frente ao dvd, resolvemos queimar asfalto, havíamos combinado previamente que nosso destino seria a praia de Ajuruteua em bragança. Entretanto quando encontrei os brothers (ivan, rafael e diego), resolvemos alterar nosso destino pra crispim, que é uma praia mais perto tipo +/- 80 km de castanhal e uns 150 de belém. Como de costume pego o trem andando lá em castanhal, só que dessa feita fui e voltei de casa pra Br umas 03 vezes, uma eu esqueci o celular, na outra na outra já estava aguardando e o ivan me liga dizendo q ainda estavam saindo de belém e a outra foi qdo fui já na certeza q já estavam perto de castanhal.
Na ultima vez que retornei a Br, aproveitei a demora dos brothers pra completar o tanque de gasolina; assim que a turma chega, alteramos o destino da trip e rumamos pra Crispim, antes paramos numa lanchonete na estrada de marudá pra forrar os estomagos; aproveitei pra por a queixeira do meu capacete.
Pegamos a estrada e fomos pra São João da Ponta, nem sabiamos quantos kms eram da Estrada asfaltada até lá, visto que era estrada de piçarra. trecho off-road muito bom com exceção da poeira que ia impregnar a tornado que tinha vindo do lavajato :(
mas quem tá na chuva é pra se molhar, na ida me segurei um pouco e fikei entre 60-80km/h nesse trecho.
chegamos em São João da Ponta, incrivel como achei parecida com outras cidades que já fui, tipo assim, o trapiche o rio em frente a cidade, a igreja na praça etc...
procuramos um lugar mais afastado pra estacionar as motocas, e tiramos algumas fts na beira-rio e retornamos pra rodovia; na volta a tornado ficou mais nervosa e coloquei 112 km/h em um retão na estrada de piçarra, incrível como a suspensão da tornado absorve até akele incomodo das costelas de vaca da pista.
Ao chegar novamente na PA que vai pra Marudá, tomamos uma água em uma lanchonete de beira de estrada e asfalto de novo até Crispim; onde fomos direto pra praia por um atalho que tivemos q empurrar as motocas pra subir um topete de areia.
estacionamos as motos na areia e curtimos a praia, que tinha uma novidade, faz tempo que conheço e frequento crispim, mas pela primeira vez haviam praticantes de kite surf, akele esporte que os caras "surfam" com a ajuda de uma pipa gigante, que mais parece um parapente. muito loko, esses praticantes ainda estavam aprendendo pois não ví nenhuma manobra mais ousada tipo as que vemos na Tv.
Da praia saimos pra marapanim, antes o rafael tombou a lander dele num topete igual ao da entrada só que esse foi na saída, o rapaz foi naquele lance de na dúvida acelera e subiu a lateral de monte de areia e ficou desnivelado com tombamento da landoca, tava tentando filmar a saida da praia, mas qdo vi o apuro do rafa larguei tudo e fui lá ajudar.

Da praia fomos pra Marapanim onde demos um rolê pela orla e procuramos um restô pra almoçar, de lá paramos em Terra-alta pra tomar banho no rio marapanim só que devido a um desencontro, tiramos o sal mais a frente em um igarapé a 21 kms de castanhal.
fts do Bv:





















Vídeos:
trecho off road ida a são joão da ponta


orla e trapiche de SJP


trecho on entre castanhal e marudá


curva do S px vila bacuriteua - estrada de crispim

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

sábado, 3 de setembro de 2011

Honda VTR 250 CC

Uma substituta à altura para os desolados fãs da twister e descontentes donos de cb300, abaixo algumas informações sobre o modelo. Motor A unidade motriz da renovada naked de 250 é um bicilíndrico em V a 90 graus com duplo comando no cabeçote e arrefecimento líquido. Ela ganhou o moderno sistema de injeção de combustível PGM-FI da Honda para um funcionamento suave e também para proporcionar torque desde as baixas rotações. O motor V2 oferece 29 cv de potência máxima a 10.500 rpm, além de torque máximo de 2,24 kgf.m a 8.500 rpm. Em conjunto com o câmbio de cinco marchas, a VTR 250 promete conforto e economia de combustível. Fazendo dela uma moto ideal para o dia-a-dia e também para viagens no final de semana. Ciclística O estilo da pequena VTR é marcado pelo seu quadro de aço em treliça, que lembra muito as italianas Ducati. Facilitando a pilotagem dos inexperientes o banco está apenas a 77 centímetros do chão. Para agüentar os trancos das vias a suspensão dianteira é do tipo garfo telescópico com 117 mm de curso e a traseira conta com único amortecedor de 125 mm de curso. A suspensão traseira ainda traz ajuste da pré-carga da mola. Estabilidade também não será problema para a VTR, ao menos na teoria. As rodas de liga-leve são calçadas com pneus sem câmara, nas medidas 110/70 – 17, na dianteira, e 140/70 – 17, na traseira. Os freios da VTR 250 merecem destaque. O avantajado disco dianteiro tem 296 mm de diâmetro e é mordido por pinça de pistão duplo. Na traseira, a VTR também usa freio a disco de 220 mm acionado por pinça de pistão simples. Preço competitivo Recém lançada na Europa, a nova VTR 250 custa 4.699 Euros na Espanha e estará disponível a partir de maio nas revendas hispânicas. Só para comparar: a nossa aposentada Twister é vendida em Portugal com o nome de CBF 250 por 4.430 Euros. Pouca diferença se levarmos em conta o motor V2, o estilo mais moderno e o freio a disco na traseira da VTR. Bem que a VTR não seria uma má opção para os fãs de Twister no Brasil, ainda mais se o preço fosse semelhante. Mas a assessoria de imprensa da Honda tratou de frustrar as esperanças dos órfãos da Twister e prontamente respondeu nossas indagações por e-mail: “não há previsão do modelo VTR 250 vir para o Brasil”. fonte: blog da suzuki yes (http://tudosobreasuzuki125yes.blogspot.com/2011/09/conheca-honda-vtr.html)